Conheça 10 belos prédios tombados em São Paulo – Parte 2 Agenda Cultural / História e Arte

No primeiro post sobre bens tombados menos conhecidos da cidade, a dificuldade foi selecionar apenas 10 exemplares de um universo tão amplo de edifícios e casarões históricos. Assim, eis que essa segunda lista vem procurar fazer um pouco de justiça, com outros 10 imóveis protegidos que podem ser visitados em diferentes regiões da capital, nos levando a uma jornada cultural e arquitetônica que vai desde os tempos coloniais até o modernismo de meados do século 20.

Casa de Cultura Santo Amaro Divulgação

Casa de Cultura Santo Amaro
Divulgação

Casa de Cultura de Santo Amaro (Antigo Mercado Municipal de Santo Amaro)

Remanescente do tempo em que Santo Amaro era um município independente – que acabou sendo “engolido” e incorporado à cidade de São Paulo em 1935 – a construção data de 1897 e funcionou como mercado até 1958. Após ser tombado na década de 1970, reabriu como Casa de Cultura em 1990, se consolidando como um pólo de cultura regional e que está inserido no Eixo Histórico de Santo Amaro, o núcleo urbano original do ex-município, tombado em 2002, que também inclui o Largo Treze, a antiga Prefeitura e a Biblioteca Presidente Kennedy, entre outros locais. Site Casa de Cultura de Santo Amaro / Facebook. Praça Dr. Francisco Ferreira Lopes, 434. Tel.: (11) 5522 8897. Segunda a sexta, das 9h às 18h; Sábados somente quando há eventos agendados. Entrada gratuita. Metrô: Estação Largo Treze (Linha 5/Lilás)

Casa de Cultura Vila Guilherme Divulgação

Casa de Cultura Vila Guilherme
Divulgação

Casa de Cultura da Vila Guilherme – Casarão

Um dos mais novos centros culturais da cidade, o Casarão, como também é conhecido, foi aberto oficialmente em junho de 2016 e representa a conquista de coletivos e organizações culturais que iniciaram, dois anos antes, a sua ocupação com atividades artísticas voltadas para a comunidade local. Erguido em 1924, o edifício funcionou como escola até 1970, tendo em seguida abrigado a subprefeitura de Vila Maria/Vila Guilherme até 2004, época em que a população do bairro, que já reivindicava a abertura de um espaço local de cultura, se mobilizou para que fosse instalado ali. Site Casa de Cultura da Vila Guilherme / Facebook. Praça Oscar da Silva, 110. Tel.: (11) 2909 0065. Terça a sexta, das 10h às 20h; Sábados, das 10h às 18h. Entrada gratuita. Ônibus: Linha 119C-10: Vila Sabrina – Term. Princesa Isabel, Linha 1721-10: Vila Sabrina – Metrô Carandiru, Linha 2012-10: Vila Ede – Metrô Tietê, Linha 271M-10: Pq. Novo Mundo – Metrô Santana

Casa Emílio Ribas Foto: André P Navarenho

Museu de Saúde Pública Emílio Ribas
Foto: André P Navarenho

Museu de Saúde Pública Emílio Ribas

Praticamente uma joia arquitetônica quase – e injustamente – desconhecida, é uma das mais antigas construções preservadas no Bom Retiro. Antigo Desinfectório Central – onde eram tratadas doenças infecto-contagiosas e se combatia epidemias, dentre outras atividades e serviços sanitários – e Hospital Emílio Ribas, foi inaugurado em 1893 e hoje abriga o museu dedicado à história da saúde pública, que é administrado pelo Instituto Butantan desde 2010. Site Museu Emílio Ribas. Rua Tenente Pena, 100. Tel.: (11) 2627 3880. Terça a quinta, das 9h às 16h30; Consultas ao Arquivo Histórico: das 8h30 às 16h45 mediante agendamento pelo email acervoer@butantan.gov.br. Entrada gratuita. Ônibus: Linha 178A-10: Metrô Santana – Lapa, Linha 179X-10: Jd. Fontalis – Metrô Barra Funda, Linha 311C-10: Pq. São Lucas – Bom Retiro

Instituto Biológico Divulgação/wikimedia

Instituto Biológico
Divulgação/wikimedia

Instituto Biológico

Uma das referências da Vila Mariana, o imponente edifício em estilo Art Déco foi projetado por Mário Whately e inaugurado na década de 1930. Além das atividades científicas voltadas ao desenvolvimento agrícola e de equipamentos como o museu e a biblioteca, outro grande atrativo do complexo é o seu cafezal – com mais de 1.530 pés – plantado nos anos 1950 para pesquisas. Hoje é o maior exemplar em área urbana do país com funções didáticas e culturais, e há cerca de dez anos, no mês de maio, ali é realizada uma colheita de café aberta ao público, cujos grãos são doados ao Fundo de Solidariedade e Desenvolvimento Social e Cultural do Estado de São Paulo. Site Instituto Biológico / Cafezal. Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 1252. Tel.: (11) 5087 1701. Museu: Terça a domingo, das 9h às 16h; Biblioteca: Terças, quartas e quintas, das 8h às 17h; Cafezal: visitas mediante agendamento prévio pelo telefone (11) 5087 1704 (tratar com Harumi Hojo). Entrada gratuita. Ônibus: Linha 5106-10: Jardim Selma – Lgo. São Francisco

Casa Mário de Andrade Divulgação

Casa Mário de Andrade
Divulgação

Oficina Cultural Casa Mário de Andrade

Antiga residência de um dos maiores ícones culturais do país – e para muitos, o maior representante das suas áreas de atuação nessa época – o poeta e escritor modernista esteve por ali durante os seus anos de maior produtividade intelectual, e a adaptação do imóvel para uma oficina cultural é uma justa homenagem ao seu legado. Projetada no início dos anos 1920 pelo engenheiro Oscar Americano, é um exemplar muito bem preservado do clássico sobrado geminado em estilo eclético, tão comum na cidade durante as primeiras décadas do século 20. Site OC Casa de Mário de Andrade. Rua Lopes Chaves, 546. Tel.: (11) 3666 5803 / 3826 4085. Terça a sábado, das 10h às 18h. Entrada gratuita. Metrô/CPTM: Estação Palmeiras-Barra Funda (Linha 3/Vermelha do Metrô e Linhas 7/Rubi e 8/Diamante da CPTM); Ônibus: Linha 177H-10: Metrô Santana – Cidade Universitária

Casa Oswald de Andrade Divulgação

Casa Oswald de Andrade
Divulgação

Oficina Cultural Oswald de Andrade

Funcionando desde 1987 na antiga Escola de Farmácia de São Paulo, este centro de cultura é, assim como a Casa Mário de Andrade, uma das quatro unidades do programa de Oficinas Culturais da Secretaria de Cultura estadual na cidade. São oferecidas atividades gratuitas, como exposições, cursos, palestras e workshops, neste que é um emblemático edifício do bairro do Bom Retiro, projeto do escritório Rosa Martins e Fomm inaugurado em 1905. Site OC Oswald de Andrade. Rua Três Rios, 363. Tel.: (11) 3222 2662/9574/4683 e 3221 4704/5558. Segunda a sexta, das 9h às 22h; Sábados, das 10h às 18h. Entrada gratuita. Metrô: Estação Tiradentes (Linha 1/Azul); Ônibus: Linha 178A-10: Metrô Santana – Lapa

Casa Tatuapé Divulgação

Casa Tatuapé
Divulgação

Casa do Tatuapé

Juntamente a outros bravos exemplares de construções coloniais que sobreviveram ao desenvolvimento da cidade, é o único da zona leste que faz parte do Museu da Cidade de São Paulo. O registro mais antigo da sua construção é da década de 1690, e de residência passou a abrigar uma olaria, no século 19, onde se fabricavam telhas e tijolos para as novas construções que abrigavam os recém-chegados imigrantes. Adquirida pela Prefeitura nos anos 1970, foi restaurada e aberta para visitação em 1981, passando a abrigar atividades socioculturais dez anos depois. Site Casa do Tatuapé. Rua Guabijú, 49. Tel.: (11) 2296 4330. Terça a domingo, das 9h às 17h. Entrada gratuita. Metrô/CPTM: Estação Tatuapé (Linha 3/Vermelha do Metrô e Linha 12/Safira da CPTM); Ônibus: Linha 2290-10: Term. São Mateus – Term. Pq. D. Pedro II, Linha 2523-10: Vila Progresso – Term. Princesa Isabel, Linha 271P-10: Cangaiba – Est. da Luz, Linha 274P-10: Penha – Metrô Vila Mariana, Linha 278A-10: Metrô Santana – Penha, Linha 3301-10: Term. São Miguel – Term. Pq. D. Pedro II, Linha 390E-10: Term. Penha – Term. Pq. D. Pedro II, Linha 513L-10: Term. Sacomã – Pq. Belém

Teatro da Mooca Foto: Fabio Arantes

Teatro da Mooca
Foto: Fabio Arantes

Teatro Municipal da Mooca Arthur Azevedo

Exemplar mais novo dessa lista, data de 1952 e é um dos representantes mais relevantes da arquitetura modernista na cidade. Projeto do arquiteto Roberto Tibau, foi o pioneiro de uma leva de teatros regionais que foram erguidos nessa época, como o João Caetano, na Vila Clementino, também de 1952, e o Paulo Eiró, em Santo Amaro, de 1957. Reinaugurado em agosto de 2015 após uma reforma que modernizou a sua infraestrutura, preservando o estilo arquitetônico original, é hoje mais uma bela desculpa para um passeio pela nossa querida Mooca.  Site Teatro Arthur Azevedo. Av. Paes de Barros, 955. Tel.: (11) 2604 5558. Acesso em dias de espetáculo. Ônibus: Linha 3112-10: Vila Industrial – Metrô Belém, Linha 311C-10: Pq. São Lucas – Bom Retiro, Linha 3160-10: Term. Vila Prudente – Term. Pq. D. Pedro II, Linha 373M-10: Jd. Guairaca – Shop. Metrô Tatuapé, Linha 373T-10: Jd. Itápolis – Metrô Bresser, Linha 573A-10: Metrô Bresser – Vila Alpina

Manabu Mabe Wikimedia

Manabu Mabe
Wikimedia

Grupo Escolar Campos Salles / Futuro Museu Manabu Mabe

Aqui eu peço licença para falar de um edifício que, apesar de poder ser admirado pelo lado de fora, ainda não pode ser visitado; mas eu espero que não seja assim por muito tempo, porque é no antigo Colégio Campos Salles que está sendo instalado o futuro Museu Manabu Mabe, dedicado ao artista japonês naturalizado brasileiro. Erguido em 1911, integrou um grupo com outras 125 escolas construídas pelo governo de São Paulo durante a Primeira República, e o seu projeto em estilo Liberty é de autoria do arquiteto italiano Giovanni Battista Bianchi. Abandonado durante anos, agora vem sendo restaurado para abrigar essa nova instituição cultural paulistana. Site Museu Manabu Mabe. Rua São Joaquim, 288. Metrô: Estação São Joaquim (Linha 1/Azul); Ônibus: Linha 4114-31: Vila Gumercindo – Term. Pq. D. Pedro II

Beth El Foto: Marcelo Petazoni

Beth El
Foto: Marcelo Petazoni

Templo Beth-El / Futuro Museu Judaico de São Paulo

Segunda e última licença, dessa vez é para falar da primeira grande sinagoga erguida em 1929 pela comunidade judaica da cidade, e que atualmente se encontra em obras para, em breve, sediar o Museu Judaico de São Paulo. Projetada pelo arquiteto Samuel Roder no estilo bizantino, serviu como endereço para atividades espirituais e beneficentes voltadas tanto aos habitantes locais quanto a novos imigrantes que recomeçavam a vida, se tornando assim uma referência também social, para além de religiosa e arquitetônica.
Site Museu Judaico de SP. Rua Martinho Prado, 128. Tel.: (11) 3258 1396. Metrô: Estação Anhangabaú (Linha 3/Vermelha); Ônibus: Linha 106A-10: Metrô Santana – Itaim Bibi, Linha 107T-10/31: Metrô Tucuruvi – Terminal Pinheiros, Linha 175T-10: Metrô Santana – Metrô Jabaquara

Conhece algum destes prédios? Tem alguma sugestão para esta lista?

Museu Emílio Ribas Foto: Chico Saragiotto


Formado em Arquitetura e Patrimônio Urbano, Flavio tem um interesse especial por cidades e suas histórias. Conhecer e divulgar as atrações e a cultura de um lugar, fazendo com que os seus moradores e visitantes se apropriem, cuidem e desfrutem dele, é um dos seus principais sonhos/objetivos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *