Parque do Ibirapuera ao entardecer. Foto:  José Cordeiro/SPTuris História e Arte / Na natureza

Quando o dia está lindo, uma boa pedida é ir para o parque caminhar, ou tomar um solzinho à beira do lago; já quando ele não está lá aquelas coisas, podemos ir visitar uma exposição no MAM, ou assistir a um show no Auditório, por exemplo. Seja qual for a ocasião, o fato é que muitos de nós que visitamos – com menos ou mais regularidade – o Parque do Ibirapuera, não conhecemos direito a sua história, ou mesmo certas curiosidades sobre alguns dos locais mais conhecidos e frequentados dali.

Ibirapuera: Caminhada Monitorada Flavio FMoreira

Ibirapuera: Caminhada Monitorada
Flavio FMoreira

No primeiro sábado de agosto, eu tive a oportunidade de participar da Caminhada Monitorada: Descobrindo o Ibirapuera, que é promovida pela Parque Ibirapuera Conservação, uma “organização da sociedade civil de interesse público” (OSCIP). O grupo foi guiado pelo Aldo Cruz, voluntário muito simpático e atencioso dessa organização que, durante duas horas e quinze minutos – a duração da caminhada varia entre duas horas e duas horas e meia, aproximadamente – nos apresentou um lado menos divulgado do parque.

Ibirapuera: Oca Flavio FMoreira

Ibirapuera: Oca
Flavio FMoreira

Você sabia que até 1972 havia um cemitério de animais por ali? Que desde 2011 existe um exemplar dos bancos do Central Park, em Nova York, doado por um ex-prefeito daquela cidade (Michael Bloomberg), que gostou muito do Ibirapuera? Ou que, quando morava na Vila Mariana, antes mesmo da inauguração do parque, a família da cantora Rita Lee cultivava uma horta onde viria a ser uma parte da sua área? Enfim, essas são apenas algumas das informações que o Aldo nos passou, também complementadas por imagens antigas que ilustram tantas outras memórias.

Ibirapuera: Banco do Central Park Flavio FMoreira

Ibirapuera: Banco do Central Park
Flavio FMoreira

Apesar desse dia “não estar lá aquelas coisas” – e a verdade é que, se não fosse pela caminhada, dificilmente uma visita ao Ibirapuera seria uma opção para mim naquele sábado – fiquei bastante satisfeito por ter ido. Afinal, nada como uma visita diferente ao parque em um dia (frio e chuvoso) em que não cogitaríamos ir a um parque. E falando nisso, outra caminhada monitorada que eles oferecem é a de Observação de Aves, mas como nessa eu (ainda) não fui, deixo os comentários para um futuro post, quem sabe..!

Programação

As próximas caminhadas monitoradas acontecem em 23 de setembro, 7 e 28 de outubro. As reservas devem ser feitas através do site e a contribuição é de R$ 10. A de Observação de Aves tem datas em 16 de setembro, 28 de outubro e 11 de novembro. Programação completa no site abaixo.

Ibirapuera: MAM Flavio FMoreira

Ibirapuera: MAM
Flavio FMoreira

Site Parque Ibirapuera Conservação / Reservas para a caminhada e outras informações pelo link: Caminhada Monitorada: Descobrindo o Ibirapuera. Ponto de encontro: Bosque da Leitura (Portão 7 – Av. República do Líbano, s/n). Próximas saídas: 19/8, 2/9 e 23/9 às 10h. Contribuição de R$ 10,00 por pessoa. Ônibus: Linha 175T-10: Metrô Santana – Metrô Jabaquara, Linha 509J-10: Jd.Selma – Pq.Ibirapuera, Linha 5154-10: Term.Sto.Amaro – Term.Princ.Isabel, Linha 5164-10: V.Sta.Catarina – Pq.Ibirapuera, Linha 5164-21: Cid.Leonor – Pq.Ibirapuera, Linha 5178-21: Jd.Miriam – Pq.Ibirapuera, Linha 5185-10: Term.Guarapiranga – Term.Pq.D.Pedro II, Linha 5300-10: Term.Sto.Amaro – Term.Pq.D.Pedro II, Linha 5370-21: Term.Varginha – Pq.Ibirapuera, Linha 5391-21: Term.Guarapiranga – Lgo.S.Francisco, Linha 5630-10: Term.Grajaú – Metrô Brás, Linha 6366-10: Jd.Miriam – Term.Bandeira, Linha 6455-21: Term.Capelinha – Ibirapuera, Linha 647C-10: Term.João Dias – Hosp.Clinicas, Linha 675N-10: Term.Sto.Amaro – Metrô Ana Rosa, Linha 677A-10: Term.Jd.Ângela – Metrô Ana Rosa, Linha 695V-10: Term.Capelinha – Metrô Ana Rosa, Linha 7710-10: Term.Guarapiranga – Metrô Ana Rosa, Linha 857A-10: Term.Cpo.Limpo – Metrô Santa Cruz


Formado em Arquitetura e Patrimônio Urbano, Flavio tem um interesse especial por cidades e suas histórias. Conhecer e divulgar as atrações e a cultura de um lugar, fazendo com que os seus moradores e visitantes se apropriem, cuidem e desfrutem dele, é um dos seus principais sonhos/objetivos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *