Fundação Ema Klabin: a vizinha discreta é uma agradável surpresa Agenda Cultural / História e Arte

A vizinhança é estrelada. De um lado da avenida Europa, lá estão os já consagrados MuBE (Museu Brasileiro da Escultura) e MIS (Museu da Imagem e do Som); do outro, a vizinha mais antiga e discreta, a Fundação Ema Klabin,  que surpreende com uma programação cultural de qualidade e espaço museológico.

Um dos ambientes da Fundação Ema Klabin Foto: Divulgação

Um dos ambientes da Fundação Ema Klabin
Foto: Divulgação

Funcionando desde 1978, a Fundação  tem a sua sede na casa onde morou Ema Gordon Klabin. A partir de 1960,  a construção, de aproximadamente 900 m2, foi finalizada. O seu projeto foi pensado para que ali pudesse ser abrigada toda a coleção da empresária, filha de imigrantes lituanos e apreciadora das artes, que tinha uma participação ativa na vida cultural e social da cidade, também se envolvendo em iniciativas assistenciais e filantrópicas. O estilo arquitetônico reflete a diversidade do acervo e acaba não sendo um só, mas vários, combinados com harmonia.

A casa não é tão visível a partir da rua, o que ajuda a torná-la menos conhecida, mas não menos interessante. O espaço é enorme, e por isso a casa conta também com um jardim bem planejado, onde um lago com carpas completa o paisagismo. Por dentro, é igualmente impressionante, porque apesar de não parecer tão grande, todo o acervo exposto se encarrega de encher nossos olhos.  São cerca de 1500 itens de vários estilos e períodos distribuídos pelos oito principais ambientes da casa – vestíbulo e hall, galeria, salão, sala de jantar, sala de música, biblioteca, quarto principal e de hóspedes – abrangendo desde a antiguidade clássica até o modernismo brasileiro, passando pelas artes pré-colombianas, africanas e orientais.

Ema Klabin era colecionadora de arte Foto: Divulgação

Ema Klabin era colecionadora de arte
Foto: Divulgação

Cumprindo a sua missão de ser um museu aberto que promove ações culturais, educacionais e sociais, alcançando o maior público possível ao criar “um ambiente de fruição, diálogo e reflexão”, a fundação vem apostando em uma relação mais próxima e integrada com a cidade e com questões atuais, para além de preservar e divulgar o seu acervo. Exemplo disso foi a iniciativa “Museu Expandido”, parte da Virada Cultural 2016 que ocupou a rua em frente com atividades coletivas artísticas e musicais, também abrindo as suas portas ao público. Funcionou muito bem para criar um movimento entre os museus, e principalmente para integrá-la nesse contexto. O legal é que eles também promovem visitas guiadas para quem quiser se aprofundar mais sobre o acervo.

A Fundação tem programação cultural e espaço museológico Foto: Divulgação

Programação

Nos próximos dias 24 e 25 de junho (sábado e domingo), a Fundação Ema Klabin terá uma programação cultural especial para toda a família, com visita temática, show musical e atividades para crianças. Tudo com entrada franca. Confira a programação:

24/6, sábado, 14h30 às 16h – Visita Temática “Os Múltiplos tempos da Coleção” –  Como podemos perceber o tempo dentro de um museu? A Casa-Museu brinca com essa percepção, propõe ao público vivenciar as diferentes cronologias que habitam no espaço cultural buscando formas de relacioná-las com a própria cronologia. Entrada franca –  25 vagas por ordem de chegada.

24/6, sábado, 16h30 às 17h30- Tardes Musicais – CORALUSP – Grupo Azul – O projeto desenvolvido pelo Grupo Azul, sob regência do vibrafonista André Juarez, completa, em 2017, 20 anos de atuação. O grupo fará uma retrospectiva das duas décadas de atividade, apresentando um repertório eclético e bem variado com obras que foram mais significativas ao longo desse período. Criado em 1967, o CORALUSP hoje é formado por 13 grupos e 3 oficinas corais. 180 lugares – entrada franca – livre.

24/6, sábado e 25/06, domingo, 14h às 17h – Visitas mediadas – O público pode conhecer a casa-museu que reúne mais de 1.500 obras, entre pinturas do russo Marc Chagall e do holandês Frans Post, dos modernistas brasileiros Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti, Portinari e Lasar Segal; talhas do mineiro Mestre Valentim, mobiliário de época, peças arqueológicas e decorativas. Livre, entrada franca.

25/6 domingo, 15h às 16h30 –  Museu em Família “Mapa em Família: Faça Seu Próprio Mapa” – Acompanhada dos pais, as crianças vão aprender a fazer mapas como antigamente partindo de referências como o “Atlas Maior” de Joan e Willen Blaeu, exemplar raro do séc. XVII, pertencente à Coleção Ema Klabin. A atividade será desenvolvida com participação de um especialista no assunto, o doutor em arqueologia Yves Rolland.  Entrada franca, livre, 25 vagas por ordem de chegada.

 

A Fundação Ema Klabin oferece visitas monitoradas Foto: Divulgação

Site Fundação Ema Klabin. Rua Portugal, 43. Tel.: (11) 3897 3232. Funciona de quarta a domingo, das 14h às 17h,  Entrada gratuita aos sábados e domingos. Nos outros dias da semana , a visita custa R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia).  Professores não pagam.  Não há necessidade de agendamento prévio.

Ônibus: 107T-10: Metrô Tucuruvi – Terminal Pinheiros; 930P-10: Terminal Pq.D.Pedro II – Terminal Pinheiros.


Formado em Arquitetura e Patrimônio Urbano, Flavio tem um interesse especial por cidades e suas histórias. Conhecer e divulgar as atrações e a cultura de um lugar, fazendo com que os seus moradores e visitantes se apropriem, cuidem e desfrutem dele, é um dos seus principais sonhos/objetivos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *