Masp apresenta a maior exposição de Toulouse-Latrec já realizada no Brasil Agenda Cultural / História e Arte

O MASP inaugura, no dia 29 de junho, Toulouse-Lautrec em vermelho, a maior exposição dedicada à obra do francês Henri de Toulouse-Lautrec (1864-1901) já realizada no Brasil. Em torno do tema da sexualidade, a mostra conta com 75 obras, entre pinturas, cartazes e gravuras, que estão entre as mais emblemáticas do artista. A mostra fica em cartaz até 11 de outubro.

RolandeDas onze obras de Toulouse-Lautrec da coleção do MASP, a maior e mais importante em um museu da América Latina. Nove estarão expostas; as demais serão empréstimos de alguns dos principais museus e coleções particulares do mundo, tais como Musée d’Orsay, de Paris; Tate e Victoria & Albert Museum, de Londres; The Art Institute of Chicago; National Gallery of Art, de Washington; e Museo Thyssen-Bornemisza, de Madrid.

A condessa Adèle de Toulouse-Lautrec

A condessa Adèle de Toulouse-Lautrec

Toulouse-Lautrec foi um dos artistas centrais da Paris do final do século 19, ao capturar a efervescência noturna da capital que despertava para a modernidade, quando suas ruas foram iluminadas a gás e as mais diversas figuras passaram a se encontrar nos espaços públicos, entre burgueses, boêmios, prostitutas, dançarinos e artistas. Inteiramente concebida e organizada pelo MASP, Toulouse-Lautrec em vermelho traz cenas de apresentações em cabarés, danças em bares, bailes de máscaras, retratos de figuras da sociedade e do célebre bairro Montmartre, que lhe renderam a fama ainda em vida. A exposição traz também cenas interiores das maisons closes, como eram chamados os bordéis da época, com suas trabalhadoras em momentos de descanso e intimidade, em seus afazeres cotidianos.

Três dessas composições — O divã (circa 1893), Estudo para No salão da rue des Moulins (1894) e As duas amigas (1894) retratam o salão de entrada de um luxuoso bordel parisiense na rue des Moulins, que Toulouse-Lautrec frequentou em meados dos anos 1890. Com sofás de encosto alto e forrados de veludo escarlate, a decoração do local serviu de sugestão para o título da mostra, cuja cor também é seguidamente associada à sexualidade e ao prazer. As três pinturas são também as primeiras obras que o público encontra ao adentrar o espaço expositivo do 1º andar do MASP, na área dedicada ao universo da prostituição.

Die dicke Maria (La grosse Maria), 1884 Leinwand, 80,5 x 65 cm Erworben 1962 G 1085

Die dicke Maria (La grosse Maria), 1884
Leinwand, 80,5 x 65 cm
Erworben 1962
G 1085

Toulouse-Lautrec foi um frequentador assíduo da vida noturna de Montmartre, bairro boêmio ao norte de Paris, que sobreviveu às transformações urbanísticas do prefeito Georges-Eugène Haussmann (1809-1891), cujas reformas transformaram-na em uma cidade elegante e organizada. O trânsito livre entre os bordéis e cabarés, tanto de dia, quanto à noite, permitiu que o artista criasse relações de amizade e confiança com os administradores e trabalhadoras dos locais, possibilitando que lançasse um olhar singular, afetuoso e não moralizante sobre essas pessoas e suas vidas.

Trabalhos como Mulher se penteando – Duas mulheres em camisola (1891), Estas mulheres na sala de jantar (1893-95), Mulher puxando sua meia (circa 1894) e (1896), por exemplo, retratam atividades domésticas e banais, que fazem parte do dia a dia daquelas mulheres, como pentear o cabelo, dividir refeições, ou ainda vestir a roupa e descansar, exaurida, depois de um período de trabalho. Em vez de imagens eróticas, feitas para o consumo masculino e heterossexual, Toulouse-Lautrec registrou momentos de intimidade de suas personagens e seu corpos, a partir de um ponto de vista afetuoso. Nesse núcleo encontram-se também 3 pinturas ovais, em forma de medalhões, que foram feitas para decorar o salão de entrada de uma maison close na rue d’Amboise. No entanto, no lugar de retratos de figuras importantes, que normalmente decoram palácios, as obras retratam prostituas do local.

A roda

A roda

As áreas seguintes, no centro da galeria, são destinadas à representação da figura humana e apresenta uma seleção de retratos não só de homens e mulheres da sociedade, mas também de mulheres da classe trabalhadora. As composições A grande Maria (circa 1886), Na Bastilha (Jeanne Wenz) (1888) e Mulher com echarpe preta (1882) revelam mulheres de corpo inteiro, que encaram de frente o espectador, desafiando-o com o olhar. Elas contrastam com a domesticidade e a “pureza” intencionadas, por meio do recato da pose ereta do corpo e das flores ao fundo, como na pintura A condessa Adèle de Toulouse-Lautrec (1880-82), ambientada durante o dia e de acordo com o que se esperava de uma mulher no século 19. Em outras palavras, nessa época em que Paris via surgir novos espaços de sociabilidade, como teatros, café-concertos, restaurantes e bares, o espaço público, e principalmente o espaço noturno, ainda era reservado apenas a homens. Mulheres presentes nesses lugares, aos olhares burgueses, eram vistas como pouco respeitáveis.

A vida do artista

Nascido em uma família da nobreza decadente, Toulouse-Lautrec transita entre os universos burguês e proletário com desenvoltura. Devido à uma doença congênita nos ossos, provavelmente consequência do casamento entre seus pais que eram primos, teve suas pernas afetadas em dois acidentes, fazendo com que não se desenvolvessem e mantivessem o tamanho das de um menino. No entanto, sua dificuldade de locomoção não o impediu de estudar pintura e frequentar ativamente a vida noturna parisiense, tema da última sessão, ao fundo da exposição.

O divã

O divã

Algumas das obras mais conhecidas de Toulouse-Lautrec estão reunidas aqui: Moulin de la Galette (1889), bar e salão de dança da classe trabalhadora, localizado em um antigo moinho; além de vários cartazes que o artista criava sob encomenda para divulgar os espetáculos de dança e eventos dos cabarés ou ainda gravuras para peças de teatro e retratos de atores e atrizes. Jane Avril no Jardin de Paris (1893), Divan Japonais (1892) e Troupe da Mlle Églantine (1896) retratam sua amiga Jane Avril (1868-1943), célebre dançarina do recém-inaugurado Moulin Rouge. O cabaré também foi tema de um de seus cartazes mais populares, Moulin Rouge (La Goulue) (circa 1891).

Além de pinturas e gravuras, Toulouse-Lautrec em vermelho apresenta cerca de 50 documentos da época, entre cartas, bilhetes, telegramas e fotografias do artista e seu círculo de amigos. A coleção, reunida pelo editor Pedro Corrêa do Lago ao longo de mais de 20 anos, cobre todo o arco temporal da vida de Toulouse-Lautrec: desde sua primeira carta, aos 7 anos, onde apenas assina seu nome; à última que escreveu, no verso de uma mensagem de seu amigo Paul Viaud à sua mãe, alguns meses antes de sua morte, em 1901. Algumas correspondências e fotografias são inéditas, nunca tendo sido publicadas ou exibidas. Essa é a primeira vez que a coleção é exposta integralmente.

Moulin Rouge (La Goulue)

Moulin Rouge (La Goulue)

SERVIÇO

TOULOUSE-LAUTREC EM VERMELHO no Masp

Abertura: 29 de junho, 20h

Data: 30 de junho a 1 de outubro de 2017

Avenida Paulista, 1578, tel.: (11) 3149-5959. Horários: terça a domingo: das 10h às 18h (bilheteria aberta até as 17h30); quinta-feira: das 10h às 20h (bilheteria até 19h30). Ingressos: R$30,00 (entrada); R$15,00 (meia-entrada)

O MASP tem entrada gratuita às terças-feiras, durante o dia todo. Estudantes, professores e maiores de 60 anos pagam R$15,00 (meia-entrada). Menores de 10 anos de idade não pagam ingresso. O MASP aceita todos os cartões de crédito.

Foto destaque: Moulin de la Galette

Com informações da assessoria de imprensa


Meu nome é Patrícia Ribeiro. Sou formada pela Faculdade Cásper Líbero e já trabalhei como editora e repórter em revistas, jornais, sites e em assessoria de imprensa. Adoro contar histórias, sou curiosa e gosto de ouvir as pessoas. Como gosto de viajar, acabei escrevendo muitas reportagens de viagens e turismo e produzi guias de viagem nacionais e internacionais. Adoro a vida cultural da cidade e descobrir lugares novos. Resolvi aliar o que eu gosto do que faço no meu tempo livre neste blog e compartilhar minhas dicas com moradores e visitantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *