Prainha Branca. Foto: Santos Convention Bureau bate e volta / Na natureza

Uma praia no litoral sul, mas com cara de litoral norte. Mar bravo e limpo. Poucas barracas; Areia branca e macia. O acesso, só por trilha. Ou por mar. Aos arredores, somente mata atlântica bem conservada. Um riacho que encontra o mar, uma vila de caiçaras e um clima alto-astral. Assim é a Prainha Branca, um dos últimos redutos caiçaras situado na reserva ambiental da Serra do Guararu, no Guarujá.

Trilha que dá acesso à Prainha Branca. Foto: Patrícia Ribeiro/ Passeios Baratos em SP

Trilha que dá acesso à Prainha Branca. Foto: Patrícia Ribeiro/ Passeios Baratos em SP

Para quem deseja fugir das praias urbanizadas e lotadas do Guarujá, a Prainha Branca é uma das melhores opções. Esqueça o que você sabe sobre Guarujá. A Prainha Branca é a o inverso. O acesso por uma trilha bem sinalizada na divisa com Bertioga é a porta da entrada desse pequeno paraíso do litoral sul. Nesta praia, a natureza dá o tom. A vila habitada por cerca de 350 habitantes ainda preserva costumes e tradições caiçaras, como as pequenas casas em meio à natureza, as festas, o clima pé na areia e a simplicidade. Apesar de pertencer ao município do Guarujá, a Prainha Branca fica na divisa com Bertioga, na saída da balsa.

Prainha Branca. Foto: Pedro Rezende

Prainha Branca. Foto: Pedro Rezende

O que encontrar

Para quem conhece a Prainha Branca há mais tempo sabe que ela já não guarda aquele aspecto selvagem de antigamente. Ficou mais conhecida, mais explorada pelo turismo. Há campings por todos os lados, suítes para alugar, pequenas e baratas pousadas por todas as partes. Nos feriados prolongados fica bem cheia. Centenas de pessoas que disputam um lugar ao sol ou à sombra.

Se a maré tiver baixa dá par ir à ilha em frente. Foto: Patrícia Ribeiro/ Passeios Baratos em SP

Se a maré tiver baixa dá par ir à ilha em frente. Foto: Patrícia Ribeiro/ Passeios Baratos em SP

O que predomina neste refúgio escondido é a simplicidade, das casas, das pessoas, o jeito roots, bicho-grilo, muitos surfistas, jovens tatuados, o reggae nas barracas, o açaí e o PF. Mas aos poucos, as famílias também foram chegando, há espaço para casais, crianças e aqueles não tão jovens. Tudo junto e misturado. Várias tribos convivendo em harmonia. Só não há espaço para pessoas não curtem esta simplicidade. Aí a praia é outra.

Mar bravo de um lado e ondas calmas do outro. Foto: Patrícia Ribeiro/Passeios Baratos em SP

Mar bravo de um lado e ondas calmas do outro. Foto: Patrícia Ribeiro/Passeios Baratos em SP

A infraestrutura é simples, dependendo do final de semana você pode não encontrar guarda-sol, a cerveja pode estar quente. Um pouco de improviso e as porções demoram a sair, mas ninguém parece se importar.

Bob Marley entoa seu grito de guerra na caixa de som. “Everything is gonna be all right”.

O garoto de cabelo parafinado cai no mar com sua prancha e passam três garotas de biquínis minúsculos, tatuagens tribais e piercing no umbigo.

Prainha Branca deserta. Foto: Santos Convention Bureau

Prainha Branca deserta. Foto: Santos Convention Bureau

As famílias com crianças preferem tomar banho nas águas mornas do pequeno riacho do lado esquerdo. Fazem a festa e atiram água para todos os lados. Se a maré estiver baixa, aproveite para conhecer a ilha em frente.

Se pintar a fome, uma das maiores barracas é o Larica´s que serve refeições. Também tem açaí, se preferir. Nos feriados, rolam festas com muito reggae e forró, a música oficial da praia.  Este local me lembra Trindade, em Paraty, só que numa versão bem menor. É claro que não poderiam faltar os hippies com seus artesanatos, miçangas, camisetas com estampas de tie dye e cangas indianas. O cheiro de incenso impregna no ar. Dreadlocks e mais Bob Marley e seus seguidores se ouve por aí.

Feira de Artesanato. Foto: Patrícia Ribeiro/ Passeios Baratos em SP

Feira de Artesanato. Foto: Patrícia Ribeiro/ Passeios Baratos em SP

São apenas 1350 metros de extensão, ondas fortes do lado esquerdo e mar calmo do lado direito, mas parece uma ilha devido a sua localização isolada. Não quer enfrentar muitos quilômetros para ir a uma praia bonita e cercada pela natureza? Então seu lugar é aqui, a apenas 116 km de São Paulo.

Outras informações

  • O acesso para a Prainha Branca é por trilha, cerca de 30 minutos. É bem sinalizada, com subidas e descidas, mas é tranquila.
  • Há estacionamentos perto da entrada da trilha.
  • Se for se hospedar lá, só há campings e pousadas bem simples. Não vi mercados, então a dica é já levar o que precisa pra lá.
  • Na alta temporada e feriados, há festas e luaus nas barracas.
  • Aproveite para conhecer a Praia Preta e Camburi. O acesso é por trilha saindo da Prainha Branca, cerca de 300 metros até a Praia Preta e 800 metros até Camburi.Também tem uma cachoeira por ali. Nunca fui. Informe-se com os moradores.
  • Leve repelente.
  • O lugar é simples, mas dá para ir com crianças, vi até bebês, desde que a família já esteja acostumada a caminhar e com ambientes com infraestrutura mais simples.
  • Costuma lotar em feriados como ano-novo e carnaval
  • Não é preciso de guia para conhecer a Prainha Branca, tudo é bem sinalizado e perto.
Riacho de águas calmas e mornas. Foto: Patrícia Ribeiro/ Passeios Baratos em SP

Riacho de águas calmas e mornas. Foto: Patrícia Ribeiro/ Passeios Baratos em SP

Como chegar

De ônibus: pegar o ônibus no Terminal Jabaquara da viação Ultra para Bertioga. Da rodoviária até a balsa são uns 100 metros, depois atravesse para o Guarujá. A balsa é gratuita para pedestres. O tempo estimado da capital até Bertioga depende do trânsito, mas cerca de 1h30m. A passagem custa R$ 35,61 ida e R$ 29,76 volta.

De carro: há duas alternativas, ir pelo Guarujá via Imigrantes e chegando lá pegar a Estrada de Pernambuco em direção a Bertioga. Deixar o carro no estacionamento perto da trilha.

A outra opção é por Bertioga (via Imigrantes) deixar o carro em Bertioga em algum estacionamento atravessar a pé de balsa. Acho esta rota melhor.

Prainha Branca. Foto: Pedro Rezende

Prainha Branca. Foto: Pedro Rezende

Tem pessoas que vão de trem. Embarque pela estação Brás da CPTM até  a estação Guaianazes pela Linha 11 – Coral (Expresso Leste). De lá pegue um novo trem da linha 11 – Coral ( Integração Gratuita) até a estação Estudantes. Saindo da estação de trem pegar uma das duas opções para descer até Bertioga, um ônibus ou vans que descem a Serra do Mar até Bertioga.

Você tem alguma dica da Prainha Branca? Já foi pra lá? O que achou? Deixe seu comentário aqui.

 


Meu nome é Patrícia Ribeiro. Sou formada pela Faculdade Cásper Líbero e já trabalhei como editora e repórter em revistas, jornais, sites e em assessoria de imprensa. Adoro contar histórias, sou curiosa e gosto de ouvir as pessoas. Como gosto de viajar, acabei escrevendo muitas reportagens de viagens e turismo e produzi guias de viagem nacionais e internacionais. Adoro a vida cultural da cidade e descobrir lugares novos. Resolvi aliar o que eu gosto do que faço no meu tempo livre neste blog e compartilhar minhas dicas com moradores e visitantes.

Comments

  1. Luis Fernando Says: dezembro 30, 2015 at 2:04 pm

    Valeu Patrícia, pelas informações! Feliz 2016 para você!

  2. Muito legal ter lido o texto e conhecido um pouco mais.
    Estou interessado. Sabe o valor do estacionamento próximo à trilha? Eu iria para acampar e ficar um final de semana.

    Abraço

    • Patrícia Ribeiro Says: fevereiro 18, 2016 at 1:32 pm

      André,

      Não sei o valor e isto deve variar bastante entre alta e baixa temporada, final de semana ou feriado. Mas vai lá e conta pra gente, ok? Continue acompanhando e divulgando o blog. Abraços.

  3. Já fui e é linda mesmo e surreal de tão linda vale a pena caminhada e longa mas a beleza no meio do caminho e tão grande que vc vai de boa ótima recomendação perfeito.

  4. Lucas Piovezan Says: dezembro 7, 2016 at 8:40 am

    Bom dia, Patrícia, sabe me informar mais ou menos o preço dos campings de lá pra uma noite apenas, e também se eu tenho que descer, pra ir de ônibus, no centro de Bertioga ou em Riviera em Bertioga.

    • Patrícia Ribeiro Says: dezembro 7, 2016 at 8:45 am

      Lucas, não sei te informar os valores dos campings, até porque deve variar dependendo da época do ano. Acho melhor fazer uma busca no Google, não posso indicar, porque nunca fiquei acampada lá. Você desce no centro de Bertioga mesmo, a balsa fica a poucos metros, é só perguntar que todo mundo sabe. Bom passeio.

    • Quando eu vou para a Prainha pego ônibus no terminal do Guarujá acho muito mais rápido e barato, não costumo ficar em camping mas tenho uma conhecia que diz que lá eles cobram R$25

  5. Eduardo Silva Says: dezembro 19, 2016 at 4:23 pm

    Existem opções de estacionamento fechado e pago na entrada da trilha?

    Parabéns pelo texto!

  6. Reparei que tem gente que não sabe como chegar na cachoeira da prainha branca, já fui várias vezes, o caminho é uma trilha bem pesada muito bom para quem gosta de caminhar e explorar, a pessoa tem que fazer o seguinte: quando estiver na prainha branca virar a direita e seguir a pé para o lado da praia preta, esse é o nome mesmo, atravessa um caminho fácil só que quando estiver vendo a praia preta você tem que subir o morro, é muito bom para explorar, várias árvores caídas na trilha a cachoeira é linda uma água gelada bem gostosa, se a pessoa for do tipo que não se cansa com caminhadas pode chegar em até meia hora aconselho um tênis tipo conga nada de chuteiras ou ir descalço, uma camiseta e bermuda. A NAMORADA de um colega meu cismou de ir conhecer e foi toda de branco como se estivesse em uma festa, e isso foi após 3 dias de chuva,imaginem como ela ficou, e a trilha já é bem úmida!

    • Patrícia Ribeiro Says: março 7, 2017 at 10:09 am

      Oi, Roberto. Como você disse, a pessoa tem que estar acostumada a fazer trilhas. Eu mesma já fui pra lá várias vezes e não conheço. Vou tentar ir da próxima fez. Obrigada.

  7. George Dutra Says: maio 25, 2017 at 10:25 pm

    Melhor lugar…
    O melhor camping é o Cantão… lugar seguro tranquilo e os moradores são muito família…. Amo demais… ahhh eu fui algumas vezes na cachoeira é um tanto difícil mas vale a pena… outra dica fazer um passeio com os barqueiros que ficam ao lado direito da praia é barato e super legal …. Estou sempre por lá depois vou colocando mais dicas …. Mas não esqueçam se quer ir com a família a indicação é Camping Cantão com opção para barraca ou chalé e tudo bem de frente para o mar .

  8. Gabriel Moura Says: junho 9, 2017 at 2:14 pm

    Sou aqui da Enseada – Guarujá e já fui algumas vezes, totalmente outro nivel, muito tranquila, ótimo pra quem gosta de paz, fogueira e um som de violão. Já adotei como refúgio e estarei presente lá amanhã. Contando as horas…

    • Patrícia Ribeiro Says: junho 10, 2017 at 10:50 am

      Que legal, Gabriel. Você deve ter ido na baixa temporada ou durante a semana porque na alta temporada e final de semana fica bem cheio. Adoro esta praia também.

  9. Ola,adorei seu post!Dá para fazer um bate e volta lá? Obrigada

    • Patrícia Ribeiro Says: julho 27, 2017 at 12:17 pm

      Sim, Gabriela. Dá tranquilo, só que em alta temporada vai pegar trãnsito. Obrigada e continue acompanhando o blog.

  10. Ja fui , e super recomendo…. Pensei que fosse um lugar perigoso ainda mais na trilha , mais sempre há sempre pessoas indo e voltando então torna-se mais seguro .

  11. Fui para prainha branca ontem (13/09/17)
    Minha experiencia:
    Achei bem tranquilo a viagem, joguei no waze ou o google maps, escolhi pegar uma pousada pra deixar minha mochila e tomar um banho depois, bem proximo a balsa fiquei no recanto do pedrinho (https://www.pousadarecantodopedrinho.com/ ). A pousada é beeem simples mesmo, no meu quato tinha, banheiro com chuveiro, cama de casal, frigobar e um pequeno guarda roupas com 2 cobertores.
    A diária nessa pousada me custou 120,00. você encontra algo por r$90 ou rS100 reais pelo airbnb, porém mais longe da balsa que não era minha intenção, pois já economizei com o estacionamento, deixei o carro na pousada e segui andando para balsa.
    Atravessa-la a pé não custa nada, se for atravessar de carro fica 5 e uns quebrados em dias normais e 8 e uns quebrados em finais de semana.
    Antes e depois da balsa tem estacionamento que custa 20 reais por 12horas, estacionamento bem simples como diz a matéria.
    Esqueci de comprar o repelente, porem não tive problemas com insetos. Acho que dei sorte pois a trilha é em meio a mata fechada 😀
    Realmente não é preciso de guia pra conhecer a prainha, descendo da balsa do lado esquedo você ve uma pequena entrada com placas informando o inicio da trilha que segue cheia de pequenas pedras fazendo o estilo paralelepipedo improvisado, mas bem tranquilo de andar.
    O cheiro de insenso deve ser substituido por cheiro de machonha, esse fedor eu senti algumas vezes, mas pelo que me parece os moradores da região não gostam e até placas solicitando que não usem você encontra por la.
    Não dei sorte com o sol, quando cheguei na praia ele foi embora 1:30h depois, porém a praia realmente é muito bonita, água bem azul e areia branquinha, uma delicia!

  12. Vou pra lá amanhã, 24/09/17 e depois conto minha experiência. Muito legal as dicas de todos! Sou de São Bernardo do campo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *