Serra do Japi em Jundiaí: um lindo pedaço da Mata Atlântica a 60 km de São Paulo bate e volta / Na natureza / Viagens por aí

Um belo pedaço original da Mata Atlântica brasileira está na Serra do Japi, na cidade de Jundiaí, a cerca de 60 km de São Paulo. É uma ótima pedida para um passeio de fim de semana, num bate e volta para quem quer relaxar um pouco no contato com a natureza.

serra-do-japi-1

A Reserva Biológica é uma das últimas áreas de floresta remanescente do Estado de São Paulo e eu particularmente me surpreendi com a biodiversidade local: são mais de trezentas espécies de árvores, mais de 650 tipos de borboletas e dentre os mamíferos, incluem-se aí seis tipos de felinos, dentre os quais a onça pintada! Toda essa área verde, para ficar ainda mais interessante, está instalada numa grande laje de pedra, com um solo de mais ou menos 10 centímetros de terra somente.

serra-do-japi-2

Como visitar: a visitação ao local somente pode ser feita com monitor ambiental. Para isso basta acessar o site da Fundação Serra do Japi. Achei a fundação muito bem organizada e no site está disponibilizada a agenda dos circuitos visitáveis (um total de oito), indicando qual monitor estará responsável naquele dia. Aí é só mandar um e-mail para o responsável pelo circuito que você deseja e acertar os detalhes com ele.

Cada circuito tem um preço, sendo que o mais barato custa R$ 20 e o mais caro R$ 35. O circuito Paraíso custou R$ 30.

serra-do-japi-3

Circuito Paraíso: esse foi o escolhido por mim por um motivo bem simples, a cachoeira no percurso!

Começamos a visitação na base ecológica, que é um espaço que, dentre outras funções, abriga pesquisadores de universidades. Existem vários alojamentos no prédio, que no passado já abrigou até um mosteiro.

O percurso entre ida e volta é de 9 km e apesar de longo, é percorrido sem grandes dificuldades. O tempo total de percurso dependerá do ritmo do grupo.

Durante o trajeto escutamos muitos macacos (embora não os tenha visto), pássaros e barulho de água corrente (a região possui muitas nascentes). Uma grande higiene mental!

serra-do-japi-4

serra-do-japi-5

serra-do-japi-6

Vamos fazendo várias paradas para fotos e para informações da monitora ambiental. Como ela mesma diz, usamos a trilha como momento de descontração, mas o objetivo é conscientização ambiental e por isso temos essas explicações. Mas não se preocupe porque nada é tedioso ou perto de ser chato. Achei tudo bem interessante e voltei com novos aprendizados.

A Cachoeira Paraíso marca o fim do percurso.

Ali fazemos a pausa para lanche (que no nosso caso aconteceu por volta de meio dia) e ficamos para aproveitar o banho.

cachoeira-paraiso-1

A Cachoeira não é grande, a área para um grupo é pequena, mas deu para curtir. A queda tem cerca de 3 metros e engana, porque é bem forte…

O dia estava quente, mas a água, bem gelada! Eu honro todas visitas de cachoeira que faço e sempre entro, mas cumprir a meta foi complicado, porque estava de fato bem gelada!

cachoeira-paraiso-2

Recomendo esse passeio não somente pela beleza do local, mas também pela organização da instituição. É uma ótima opção para quem quer dar uma arejada na mente em contato com a natureza e passar um dia agradável. Pretendo retornar para fazer algum dos outros circuitos e conhecer melhor a região.

Dani Nogueira, a autora: Sou educadora da rede pública, mas é nas viagens que me realizo. Esse bichinho sempre esteve comigo, mas precisou que um ex namorado o alimentasse e foi com ele que aprendi a “conhecer o mundo”. Como todo pé na bunda te empurra pra frente, foi nessa situação que comecei a viajar sozinha, e nunca mais parei! Hoje já pisei nos cinco continentes e fiz roteiros que antigamente eram impensáveis. Os planos para o futuro? Dominar o mundo!

Entre no site para saber como chegar e como agendar sua vista http://serradojapi.jundiai.sp.gov.br/institucional/base/acesso/

O post original está no site Viajettes.com  de viagens e escapadas. Confira!

viajete logo 1


Meu nome é Patrícia Ribeiro. Sou formada pela Faculdade Cásper Líbero e já trabalhei como editora e repórter em revistas, jornais, sites e em assessoria de imprensa. Adoro contar histórias, sou curiosa e gosto de ouvir as pessoas. Como gosto de viajar, acabei escrevendo muitas reportagens de viagens e turismo e produzi guias de viagem nacionais e internacionais. Adoro a vida cultural da cidade e descobrir lugares novos. Resolvi aliar o que eu gosto do que faço no meu tempo livre neste blog e compartilhar minhas dicas com moradores e visitantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *