Bordel Agenda Cultural / História e Arte

O Di Cavalvanti que retratou tão bem o subúrbio do Rio de Janeiro, seus prostíbulos, as mulheres mestiças, o malandro e e as rodas de samba estão presentes nesta exposição, mas também a outros Di que talvez você não conheça. O Di cartunista, ilustrador, cubista,  fase de quadros sombrios e influências dos muralistas. Está tudo retratado na mostra“No subúrbio da modernidade – Di Cavalcanti 120 anos”  na Pinacoteca. Uma coleção para mergulhar na obra do artista. A exposição fica em cartaz de 2 de setembro a 22 a janeiro.

Cinco Moças de Guaratinguetá

Cinco Moças de Guaratinguetá

DIA 12 DE OUTUBRO: WALKING TOUR MOSTRA DI CAVALCANTI, PARQUE E ESTAÇÃO DA LUZ

Um roteiro para quem aprecia arte, história e cultura. Neste passeio vamos conhecer o Parque da Luz. No belo jardim destacam-se a o lago em formato de cruz de malta, coreto, 50 esculturas do acervo da Pinacoteca e um aquário subterrâneo. Vamos conhecer mais sobre a história d a estação da Luz. Aberta ao público em 1901, a Estação da Luz, famoso marco da região central de São Paulo. Depois faremos uma visita guiada na Pinacoteca, mostra Di Calvancanti.
Início: às 14h – duração: 3h
Inscrição: R$ 35
Inclui: visita guiada nos pontos mencionados
Faça sua inscrição: passeios@passeiosbaratosemsp.com.br

São  mais de 200 obras reunidas numa única exposição, talvez a única oportunidade de conhecer o acervo do artista, que veio de vários museus e coleções particulares. São várias fases da obra do artista, que ficou conhecido por retratar tão bem a vida no subúrbio carioca, mas a obra de Di Cavalcanti nãos se restringe apenas a este aspecto.  O artista, que foi autodidata, mostra seu talentos em desenhos que foram capa de revista, de LPS,  livros e até em charges políticas.

As cores e formas de Di Cavalcanti encantam por retratar uma época do Rio de Janeiro e fazer um recorte sobre o povo do subúrbio, seus hábitos, prostíbulos e talvez seja quem  melhor retratou a mestiçagem brasileira.

Cena de rua Coleção do Museu de Arte Latino-americano de Buenos Aires

Cena de rua
Coleção do Museu de Arte Latino-americano de Buenos Aires

Eu visitei a exposição em primeira mão numa visita monitorada pelo curador José Augusto Ribeiro que nos deu uma verdadeira aula de história da arte de Di Cavalcanti. Talvez uma visita espontânea não seja tão legal assim, mas você pode agendar uma visita monitorada com os educadores da Pinacoteca para realmente conhecer com detalhes a rica obra deste artista. (Mais detalhes no final do texto).

Como é a mostra

Entre pinturas, desenhos e ilustrações, serão exibidas mais de 200 obras, realizadas ao longo de quase seis décadas de carreira e que hoje pertencem a algumas das mais importantes coleções públicas e particulares do Brasil e de outros países da América Latina, como Uruguai e Argentina.

Caricatura de Mário de Andrade

Caricatura de Mário de Andrade

Obras icônicas e outras pouco vistas estarão distribuídas em sete salas do primeiro andar da Pina Luz, sob a curadoria de José Augusto Ribeiro. Segundo o pesquisador, a exposição pretende investigar como o artista desenvolve e tenta fixar uma ideia de “arte moderna e brasileira”, além de chamar a atenção para a condição e o sentimento de atraso do Brasil em relação à modernidade europeia no começo do século XX. “Ao mesmo tempo, o título se refere aos lugares que o artista costumava figurar nas suas pinturas e desenhos: os bordeis, os bares, a zona portuária, o mangue, os morros cariocas, as rodas de samba e as festas populares – lugares e situações que, na obra do Di, são representados como espaços de prazer e descanso”, explica Ribeiro.

Di Cavalcante e uma de suas obras

Di Cavalcante e uma de suas obras

A exibição de mais de 200 obras, entre pinturas, desenhos e ilustrações, muitas expostas no Brasil pela primeira vez, além de outras com enredo quase novelesco. Caso da pintura Samba, de 1928, que após 80 anos sem que houvesse notícia a seu respeito, reapareceu somente em 2016 numa exposição no Rio de Janeiro. O único registro anterior desse trabalho havia sido a sua reprodução em edição de 1928 da revista modernista Paratodos, em que Di costumava publicar ilustrações e imagens de seus desenhos e pinturas. Outra pintura, de 1925, que desapareceu em um incêndio na casa do marchand e colecionador Jean Boghici, em 2012, também estará exposta. Produzidas ao longo de quase seis décadas de carreira, hoje as obras pertencem a algumas das mais importantes coleções públicas e particulares do Brasil e de outros países da América Latina, como Uruguai e Argentina.

Fantoches da meia-noite

Fantoches da meia-noite

Além da atuação pública de Di Cavalcanti como pintor, a mostra destacará também aspectos menos conhecidos de sua trajetória, como as ilustrações e charges para revistas, livros e até mesmo capas de discos. Também será abordada sua condição de mobilizador cultural e correligionário do Partido Comunista do Brasil (PCB). “Esse engajamento reforça o desejo de transformar o movimento moderno em uma espécie de projeto nacional”, completa Ribeiro.

A Pinacoteca prepara um catálogo que reunirá três ensaios inéditos escritos pelos autores José Augusto Ribeiro, curador da mostra, Rafael Cardoso, historiador da arte e do design e Ana Belluzzo, professora e crítica de arte. O livro trará ainda reproduções das obras apresentadas, uma ampla cronologia ilustrada e um compilado de textos já publicados sobre a trajetória do artista. A exposição tem patrocínio de Banco Bradesco, Sabesp, Ultra, Escritório Mattos Filho e Alexandre Birman.

Desenhos de Di Cavalcanti co conotação política

Desenhos de Di Cavalcanti co conotação política

“No subúrbio da modernidade – Di Cavalcanti 120 anos” permanece em cartaz até 22 de janeiro de 2018, no primeiro andar da Pina Luz – Praça da Luz, 02. A visitação é aberta de quarta a segunda-feira, das 10h00 às 17h30 – com permanência até às 18h00 – os ingressos custam R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia). Crianças com menos de 10 anos e adultos com mais de 60 não pagam. Aos sábados, a entrada é gratuita para todos os visitantes.  Nos dias 12, 13, 14 e 15 de outubro a entrada é gratuita. A Pina Luz fica próxima à estação Luz da CPTM  e estação do metrô Luz.A visita é orientada em torno de propostas de leitura de imagem das obras do acervo ou de algumas exposições temporárias e também atividades lúdico-educativas. As visitas educativas estão disponíveis para grupos organizados sob agendamento prévio e, caso haja disponibilidade de educadores no momento, para públicos espontâneos, sem prévio agendamentoPara agendamento de visitas educativas para grupos, contate 3324-0943 ou 3324-0944

Foto destaque: Bordel

Samba ou mulatos de São Cristováo no carnaval do Rio de Janeiro

Samba ou mulatos de São Cristovão no carnaval do Rio de Janeiro


Meu nome é Patrícia Ribeiro. Sou formada pela Faculdade Cásper Líbero e já trabalhei como editora e repórter em revistas, jornais, sites e em assessoria de imprensa. Adoro contar histórias, sou curiosa e gosto de ouvir as pessoas. Como gosto de viajar, acabei escrevendo muitas reportagens de viagens e turismo e produzi guias de viagem nacionais e internacionais. Adoro a vida cultural da cidade e descobrir lugares novos. Resolvi aliar o que eu gosto do que faço no meu tempo livre neste blog e compartilhar minhas dicas com moradores e visitantes.

Comments

  1. Adorei o artigo e vou ver a exposição.
    Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *