Auditório Ibirapuera
Wikimedia História e Arte

Sem dúvidas o arquiteto brasileiro com maior projeção internacional, Oscar Niemeyer não poderia ter deixado de imprimir a sua marca na maior cidade do país. Ao longo da segunda metade do século 20, seus projetos mudaram a cara de São Paulo, e muitos deles vieram a se tornar verdadeiros símbolos e cartões-postais. Aqui segue uma listagem das suas obras, que vão da década de 1950 à de 1990 e misturam desde ícones arquitetônicos a outras menos conhecidas, e que ajudam a ilustrar um pouco da sua trajetória e do desenvolvimento da metrópole.

Edifício Montreal Wikimedia

Edifício Montreal
Wikimedia

Edifício Montreal

Marcando a esquina da avenida Ipiranga com a Cásper Líbero, esse edifício residencial foi a estreia de Niemeyer em São Paulo ao ser inaugurado, em 1954. Sua marca são os brises horizontais curvos que evitam a entrada direta da luz solar nos apartamentos – técnica que seria mais tarde aplicada também no Copan – e acabam criando um efeito estético bem interessante. Outro destaque são os três painéis de mosaico do artista Di Cavalcanti localizados no seu hall de entrada. Av. Ipiranga, 1.284. Metrô: Estações Luz (Linhas 1/Azul e 4/Amarela) e República (Linhas 3/Vermelha e 4/Amarela)

Edifício e Galeria Califórnia Wikimedia

Edifício e Galeria Califórnia
Wikimedia

Edifício e Galeria Califórnia

Mais uma dentre as galerias que marcaram época na região da República, essa liga as ruas Barão de Itapetininga e Dom José de Barros, mas se diferencia por ter um painel de mosaico do artista Cândido Portinari em seu saguão – além de ter o seu projeto assinado pelo Niemeyer, claro. Nas suas duas fachadas, as colunas em V são marcas do seu autor e se tornaram bastante comuns na década de 1950, quando foi inaugurada. Rua Barão de Itapetininga, 255. Metrô: Estação República (Linhas 3/Vermelha e 4/Amarela)

Edifício Triângulo Wikimedia

Edifício Triângulo
Wikimedia

Edifício Triângulo

Fugindo um pouco do estilo dos outros edifícios no centro da cidade aqui listados, é todo recoberto por vidros espelhados, mas teria sido diferente segundo o projeto original. Prevendo brises horizontais na sua fachada, assim como o Montreal e o Copan, a ideia inicial teve que ser modificada por causa da legislação municipal na época, e os andares superiores foram recuados em relação ao resto do edifício, o que gerou uma forma mais dinâmica. Na sua entrada principal, mais um painel do artista Di Cavalcanti enobrecendo o conjunto. Rua José Bonifácio, 24. Metrô: Estação Sé (Linhas 1/Azul e 3/Vermelha)

Edifício Eiffel Wikimedia

Edifício Eiffel
Wikimedia

Edifício Eiffel

Bem pertinho do Copan, o Eiffel viu o seu brilho ser ofuscado pelo do vizinho mais popular não muito tempo depois de ter sido inaugurado, em 1956; tanto que muitos nem sabem que também se trata de uma obra do Niemeyer. Mas, para fazer um pouco de justiça, vale destacar que esse edifício residencial e comercial constituído por três blocos introduziu na cidade o conceito de apartamento duplex.Praça da República, 177. Metrô: Estação República (Linhas 3/Vermelha e 4/Amarela)

Edifício Copan Wikimedia

Edifício Copan
Wikimedia

Copan

Símbolo de São Paulo e de uma época em que a cidade se orgulhava de ser a “que mais crescia no mundo”, o Copan foi idealizado também para homenagear o quarto centenário paulistano que se aproximava quando foi projetado, em 1951. Então, nada mais de acordo com o espírito da época do que erguer aquele que viria a ser o maior edifício residencial da América Latina, hoje com cerca de 1.160 apartamentos – distribuídos por seis blocos com mais de 2.000 moradores – e uma área comercial no térreo. Curiosidade: não bastasse isso tudo, o projeto original ainda previa a construção de um hotel anexo com 600 apartamentos, mas que acabou não indo pra frente. É possível, visitar o terraço durante a semana. Visitas: 2a à 6a feiras, às 10:20 ou às 15:20, dirigir-se ao Bloco F sobreloja, se acompanhado no máximo de 5 pessoas Site Copan. Av. Ipiranga, 200. Tel.: (11) 3259 5917 / 3257 6169. Metrô: Estação República (Linhas 3/Vermelha e 4/Amarela)

Parque do Ibirapuera (Bienal, Oca e Auditório) Wikimedia

Parque do Ibirapuera (Bienal, Oca e Auditório)
Wikimedia

Parque do Ibirapuera

Sejam bem-vindos ao maior complexo de obras do Niemeyer na cidade, naquele que é também o seu maior parque. Assim como o Copan, o Ibirapuera foi idealizado como símbolo das comemorações pelo quarto centenário de São Paulo, alcançado em 1954. Ali, o arquiteto projetou cinco edifícios conectados por uma marquise, e esse conjunto só foi finalizado em 2005 com a inauguração do Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer. Os outros hoje abrigam o Museu AfroBrasil, a Fundação Bienal (no Pavilhão Ciccillo Matarazzo) e duas unidades do Museu da Cidade de São Paulo: uma no Pavilhão das Culturas Brasileiras (atualmente fechado para manutenção e restauro) e outra no Pavilhão Oca. Fora do parque, mas ligado a ele por uma passarela, fica a sede do Museu de Arte Contemporânea da USP, em outro edifício também assinado por Niemeyer. Site Parque do Ibirapuera. Av. Pedro Álvares Cabral, s/n (portões 2, 3 e 10); Av. IV Centenário, s/n (portões 6 e 7A); Av. República do Líbano, s/n (portão 7). Tel.: (11) 5575 5045 / 5573 4180. Diariamente, das 5h à 0h. Entrada gratuita. Ônibus: Linha 175T-10: Metrô Santana – Metrô Jabaquara, Linha 509J-10: Jd.Selma – Pq.Ibirapuera, Linha 5154-10: Term.Sto.Amaro – Term.Princ.Isabel, Linha 5164-10: V.Sta.Catarina – Pq.Ibirapuera, Linha 5164-21: Cid.Leonor – Pq.Ibirapuera, Linha 5178-21: Jd.Miriam – Pq.Ibirapuera, Linha 5185-10: Term.Guarapiranga – Term.Pq.D.Pedro II, Linha 5300-10: Term.Sto.Amaro – Term.Pq.D.Pedro II, Linha 5370-21: Term.Varginha – Pq.Ibirapuera, Linha 5391-21: Term.Guarapiranga – Lgo.S.Francisco, Linha 5630-10: Term.Grajaú – Metrô Brás, Linha 6366-10: Jd.Miriam – Term.Bandeira, Linha 6455-21: Term.Capelinha – Ibirapuera, Linha 647C-10: Term.J.Dias – Hosp.Clinicas, Linha 675N-10: Term.Sto.Amaro – Metrô Ana Rosa, Linha 677A-10: Term.Jd.Ângela – Metrô Ana Rosa, Linha 695V-10: Term.Capelinha – Metrô Ana Rosa, Linha 7710-10: Term.Guarapiranga – Metrô Ana Rosa, Linha 857A-10: Term.Cpo.Limpo – Metrô Santa Cruz

Memorial da América Latina Divulgação

Memorial da América Latina
Divulgação

Memorial da América Latina

O memorial nasceu com a proposta de ser um ponto de intercâmbio cultural, político, social e econômico com os nossos vizinhos, marcando a volta de Niemeyer à cena arquitetônica da cidade ao ser inaugurado, em 1989. Logo se tornou palco para atividades artísticas, científicas e educacionais, incentivando a consolidação de uma identidade regional. Abriga um acervo de arte popular latino-americana com cerca de 4.000 ítens e uma biblioteca com mais de 30.000 volumes, tendo a sua orientação cultural sido desenvolvida pelo antropólogo Darcy Ribeiro. Site Memorial da América Latina. Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664. Tel.: (11) 3823 4600. Terça a domingo, das 9h às 18h (Biblioteca: Segunda a sexta, das 9h às 18h; Sábados, das 9h às 15h). Entrada gratuita. Metrô: Estação Palmeiras – Barra Funda (Linha 3/Vermelha); Ônibus: Terminal Barra Funda

Sambódromo Divulgação/José Cordeiro

Sambódromo
Divulgação/José Cordeiro

Sambódromo

Honestamente, o sambódromo de São Paulo só entrou nessa lista pela sua representatividade cultural e pela biografia do seu autor, já que a relevância arquitetônica que possui não se compara com as das obras anteriores. Não à toa, esse projeto de 1990 é um dos que menos nos remete ao(s) estilo(s) de Niemeyer, e me arrisco dizer que, em relação à estrutura física, o seu trunfo seja apenas a funcionalidade das instalações com capacidade para cerca de 30.000 pessoas, felizmente bastante utilizada para grandes eventos. Site Sambódromo. Av. Olavo Fontoura, 1.209. Tel.: (11) 2226 0400. Acesso em dias de eventos. Metrô: Estação Portuguesa-Tietê (Linha 1/Azul). Ônibus: Linha 9701-10: Hospital Cachoeirinha – Metrô Santana; Linha 9717-10: Jd. Almanara – Santana

Conhece todos estes lugares? Qual é o sua obra preferida do arquiteto?


Formado em Arquitetura e Patrimônio Urbano, Flavio tem um interesse especial por cidades e suas histórias. Conhecer e divulgar as atrações e a cultura de um lugar, fazendo com que os seus moradores e visitantes se apropriem, cuidem e desfrutem dele, é um dos seus principais sonhos/objetivos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *